A prática em oito partes

Agende sua experiência

Inscreva-se na nossa newsletter

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print

A prática em oito partes

Larissa Luna

Larissa Luna

Uma das principais características do Swásthya Yôga é o ashtánga sádhana. Ashtánga sádhana significa prática em oito partes (ashta = oito; anga = parte; sádhana = prática). 

O ashtánga sádhana

Propósito: proporcionar um reforço de saúde e vitalidade, a fim de preparar o praticante para suportar as enormes alterações biológicas resultantes da evolução pessoal acelerada que ocorrerá na fase final.

Processo: mudrá, pújá, mantra, pránáyáma, kriyá, ásana, yôganidrá e samyama.

Resultado: através do reforço, da conscientização e da estabilização de todos os corpos, se desenvolve um alicerce sólido capaz de sustentar o processo evolutivo de forma mais segura.

1. Mudrá: gesto reflexológico feito com as mãos.

Propósito: preparar para o sádhana, aquietando o corpo e a mente, conectando com o arquétipo e despertando o estado de yôga.

Processo: associação neurológica e o condicionamento reflexológico gerado pela posição das mãos.

Resultado: conexão com o inconsciente coletivo, onde encontramos todo o conhecimento Dakshinacharatántrika Niríshwarasámkhya Yôga.

2. Pújá: retribuição de energia.

Propósito: identificação com os arquétipos do SwáSthya Yôga.

Processo: identificação em etapas, como degraus, a Escola filosófica, o instrutor, o Mestre vivo mais antigo e o arquétipo do yôgi perfeito, Shiva.

Resultado: potencialização dos resultados da prática, pois permite que o conhecimento flua desde a fonte, que é Shiva, até o sádhaka por meio mais sutil e de forma mais direta.

3. Mantra: vocalização de sons e ultrassons.

Propósito desesclerosar as nadís.

Processo: vocalização de sons e ultrassons que atuam por ressonância.

Resultado: o prána flui com mais facilidade pelas nadís, é alcançada a estabilidade emocional.

4. Pránáyáma: expansão da bioenergia através de respiratórios.

 Propósito: expansão da bioenergia.

 Processo: técnicas respiratórias, com atitude interior e mentalização.

 Resultado: despertamento do poder interno e maior consciência emocional.

5. Kriyá: atividade de purificação das mucosas.

 Propósito: preparar o corpo para os ásanas.

 Processo: técnicas de purificação das mucosas que utilizam água, massageamento, passagem do ar ou que envolvam a produção de líquidos corporais.

 Resultado: eliminação de impurezas e toxinas, ganho de vitalidade (economia energética) e bem-estar físico.

6. Ásana: técnicas orgânicas.

 Propósito: alcançar a estabilidade do corpo físico denso.

 Processo: regras gerais de execução, sequências coreográficas e características dos ásanas (posição estável, confortável e estética; respiração consciente, profunda e ritmada; atitude interior com localização da consciência, mentalização e bháva).

 Resultado: aumento da consciência corporal, da determinação/auto-superação, da versatilidade/dinamismo, da vitalidade e da força interior.

7. Yôganidrá: técnica de descontração.

Propósito: assimilação e manifestação dos efeitos produzidos por todos os angas anteriores.

Processo: entrada (no estado de relaxamento); utilização (da receptividade para uma indução positiva); preparação para o retorno (aviso prévio do final do exercício); retorno gradual e efetivo (final do exercício).

Resultado: reprogramação emocional e preperação para o samyama.

8. Samyama: concentração, meditação e hiperconsciência.

Propósito: atingir o samádhi.

Processo: técnicas de concentração e saturação mental sobre um mesmo objeto, que pode ser um yantra, um mantra ou outro.

Resultado: estabilização dos corpos mais densos e ativação dos veículos mais sutis da consciência.