Gestão da ansiedade através das técnicas respiratórias

Agende sua experiência

Inscreva-se na nossa newsletter

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print

Gestão da ansiedade através das técnicas respiratórias

Larissa Luna

Larissa Luna

A respiração é um ato vital no qual não precisamos pensar para realizá-lo. Mas você sabe respirar?

A pergunta parece um tanto quanto óbvia, porém, sempre vem a dúvida se estamos respirando de forma certa.

Temos um potencial fisiológico grande, mas aproveitamos muito pouco do que os pulmões podem nos oferecer.  

Nascemos respirando corretamente e com o passar do tempo, devido às influências de acontecimentos ocorridos durante a vida, como doenças, ansiedades, estresses, dentre outros fatores, modificamos esse padrão.

Dependendo do nível de ansiedade a que estamos submetidos, a respiração tende a ficar mais superficial. A frequência aumenta, a profundidade diminui. Com o passar do tempo, esse padrão pode se tornar permanente e modificar assim o tônus muscular da cadeia respiratória, responsável por várias reações do corpo ao estresse.  

Respirar errado traz ainda outras consequências sérias para o nosso dia a dia: nos deixa muito cansados, com pouco poder de foco, má qualidade de sono e acúmulo de toxinas no organismo. Com os níveis de energia em queda, nossa produtividade e criatividade ficam comprometidas.

Entendendo a importância de uma boa respiração para a nossa qualidade de vida e bem-estar, devemos mais do que nunca colocá-la no nosso foco. Respirar com consciência é uma atitude que nos faz viver no presente, aumenta nossa força vital, oxigena nosso organismo, amplia nossa concentração e interfere diretamente na clareza dos nossos pensamentos, já que nos auxilia a agir com mais discernimento, sabedoria e lucidez.

A respiração quando bem feita, auxilia na eliminação de toxinas nocivas ao organismo. Ela pode ser uma atividade voluntária ou involuntária. Ou seja, embora aconteça automaticamente ao dormimos, por exemplo, temos a capacidade de controlá-la quando queremos e precisamos.

A respiração profunda e lenta nos possibilita diminuir a frequência cardíaca, libera endorfina, acalma o sistema simpático e eleva o parassimpático. Promove-se assim, um estado de equilíbrio e harmonia no organismo.

Com o corpo mente e emoções vibrando no sutil, os músculos relaxam e nessa dança entre o fluir do ar pelas narinas, uma sensação de tranquilidade inunda nosso corpo. É nesse estado de conexão com nossas esferas mais profundas, distantes dos turbilhões, que podemos tomar grandes decisões.