Respiração como ato vital

Agende sua experiência

Inscreva-se na nossa newsletter

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print

Respiração como ato vital

Larissa Luna

Larissa Luna

Respirar é um ato vital que nos acompanha desde o momento em que nascemos até o nosso último suspiro de vida. O ser humano é capaz de passar dias sem comer, horas sem beber líquido, mas não suporta alguns minutos sem respirar. Mesmo assim não damos à respiração a devida importância que ela merece.

Esse ato vital primordial é um dos responsáveis pela nossa qualidade de vida e desenvolvimento de potencialidades. A oxigenação do sangue que uma boa respiração proporciona é imprescindível a uma vida saudável e coesa.

Conforme a vida avança, desaprendemos a respirar. Isso tem a ver, na verdade, com a mudança do padrão respiratório pela qual passamos. Quando nascemos, usamos mais a respiração diafragmática, que é a respiração do bebê. Ao longo da vida, somamos situações de medo, estresse, ansiedade e traumas, que são inevitáveis. Tudo isso interfere na nossa maneira de respirar e acaba fazendo com que nossa respiração fique mais curta.

É comprovado cientificamente que respirar traz vários benefícios para o nosso corpo, além de nos manter vivos. Não existe nada que nos acalme mais do que respirar lenta e profundamente. A respiração reduz os níveis de cortisol e adrenalina, hormônios do stress e também faz reduzir sentimentos e sensações mais densas.

Através da respiração consciente incrementamos vitalidade e energia ao nosso corpo, dominamos emoções e pensamentos, ampliamos nosso estado de consciência e nos tornamos mais lúcidos e assertivos. A respiração é o elemento que faz a conexão entre corpo e emoção.