Conhecer a si mesmo

Agende sua experiência

Inscreva-se na nossa newsletter

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print

Conhecer a si mesmo

Roberta Parente

Roberta Parente

Conhecer a si mesmo parece ser algo simples que não requer muito esforço e dedicação, afinal de contas, todo mundo sabe o que gosta, o que quer e onde quer estar.
Mas o que está por detrás desses desejos e vontades, da onde vem essa força que lhe move, por que você tem determinadas reações e comportamentos e em qual direção de fato você está caminhando?
Saber responder essas perguntas faz com que você faça uma pausa e pergunte a si mesmo tudo isso. Só de você gerar esses questionamentos é possível perceber uma conscientização daquilo que está sendo vivido ou experimentado e aí surge uma pausa, um instante de reflexão e auto-observação.
O processo de autoconhecimento requer um estudo constante de si mesmo, uma tomada de consciência mais ampla de tudo aquilo que lhe envolve como ser humano. Seja a relação com o seu corpo, com a sua energia e vitalidade, seja com suas emoções ou pensamentos.
Conhecer-se é entender seus sentimentos e perceber quais atitudes ou situações o despertam. É notar quais tipos de pensamentos envolvem a sua mente. E, principalmente, quais são os seus gatilhos, o que acontece para que determinadas reações surjam e você apenas reaja de forma instintiva e inconsciente, o famoso estado de luta e fuga.
Nossas emoções têm uma razão de ser. Elas podem nos motivar e despertar o nosso potencial ou podem nos colocar para baixo e nos enfraquecer. Elas servem à nossa autopreservação e são guias para o autoconhecimento e crescimento pessoal.
Já a nossa mente é extremamente dispersa e agitada. O próprio alimento dela é a dispersão, o excesso de pensamentos. Mas quantos deles são úteis, construtivos e importantes? Essa ocupação mental faz com que haja uma desconexão de si mesmo.
Dispersamos energia com o que é irrelevante e não conseguimos focar no que é importante.
Mas tudo isso tem uma razão de ser. Nossas emoções e pensamentos constroem o nosso ser, determinam quem somos. Por isso é importante você se conhecer e saber exatamente o que se passa internamente.
Uma das técnicas mais interessantes que auxiliam nesse processo de tomada de consciência e autoconhecimento é a meditação. É através dela que você propõe uma pausa a toda essa aceleração que muitas vezes vem do exterior. Nessa jornada é possível observar padrões, comportamentos e experiências passadas que estão enraizadas em você e que lhe conduzem a reações instintivas e inconscientes.
Ao se propor uma pausa, você inverte o fluxo das informações, elas deixam de vir de fora para dentro e passam a fluir de dentro para fora. Você aflora sua essência e sua verdade e isso lhe traz plenitude e felicidade. Como consequência você se torna mais coerente, alinhando aquilo que você sente, com o que pensa e realiza.